Conheça as gafes mais comuns no exterior

Viajantes e consultores de etiqueta mostram o que deve e o que não se deve fazer em viagens internacionais
São tantos detalhes para conferir antes de uma viagem internacional que muitos se esquecem ou acabam sem tempo de fazer uma lição de casa básica: estudar um pouco da cultura local. Apesar de não ser motivo para, o lapso pode, sim, deixar o viajante em situações constrangedoras.
O estudante Felipe Oliviero sentiu na pele quando foi aos Estados Unidos. Ele teve uma surpresa desagradável ao cumprimentar as meninas com beijinhos. "Elas davam um pulo para trás e perguntavam: 'O que é isso?' Para elas, isso é um abuso".
"Saber como são os cumprimentos no lugar onde você vai é muito importante", diz a consultora de etiqueta Lígia Marques. "No Japão, por exemplo, falar alto e dar gargalhada pega mal e na Alemanha, não é adequado cumprimentar alguém com uma das mãos no bolso".
Na cultura muçulmana, por exemplo, o nosso sinal de positivo equivale a levantar o dedo médio por aqui. Ou seja, a dica é ver primeiro e agir depois. "Em Roma, faça como os romanos" afirma a consultora.

famosas contam suas gafes
A atriz Patrícia França, há quatro anos, quando soube que teria de ir ao Festival de Cinema de San Sebastián, na Espanha, por causa do filme 'Orfeu', sua primeira providência foi se matricular em um curso intensivo de espanhol. A preparação, no entanto, não evitou que ela passasse por situações, no mínimo, engraçadas. "Pedi uma maçã e o garçom me trouxe uma banana estranha. Depois, no hotel, me deram um café-com-leite frio e não queriam trocá-lo. Bom, aí tive minha primeira briga em espanhol", conta Patrícia. Em espanhol, por exemplo, palavras como 'embarazada' e 'correr' trazem problemas pois significam respectivamente 'grávida' e 'transar'. Para a ex-jogadora de vôlei, Ana Moser, a receita é pesquisar na Internet antes das viagens. "É legal utilizar a internet para descobrir itinerários sem depender dos pacotes das agências", afirma.

Fonte: Olá! O primeiro - Ano 01 nº 99 - 28 Nov 06 - Terça-feira Página 08 - www.olanoticias.com.br

Curitiba inicia discussão sobre o uso do metrô

Órgãos públicos, empresários e especialistas avaliam as possibilidades para a utilização do metrô na capital no seminário 'Curitiba sobre trilhos'
Um seminário realizado no Parque Barigüi discute, desde ontem até a tarde de hoje o futuro do transporte coletivo de Curitiba. E o principal assunto em discussão é o metrô.
Ontem, cerca de 500 pessoas participaram do primeiro dia de discussões. Segundo o presidente do Ippuc, Luiz Henrique Cavalcanti Fragomeni, existe a intenção de no futuro implantar o metrô na cidade. "Com o tempo, Curitiba pode estudar a forma de transporte sobre trilhos. A situação na Região Sul da cidade, na República Argentina, já apresenta desconforto para os usuários", afirmou Fragomeni.
Estão em discussão dois tipos de metrô que levam em conta o fato de que em 2012 Curitiba terá mais de 4 milhões de habitantes. O primeiro é para um metrô leve sobre as canaletas da linha de ônibus Expresso, que ligaria o Pinheirinho ao Cabral, em uma extensão de 14 quilômetros. O segundo é de um metrô subterrâneo de baixa profundidade (7 metros), com custos 50% menores que os do metrô tradicional.
"Antes de virar um projeto é preciso avaliar o custo. E rever também a política tributária para os transportes" afirma João Luis da Silva, da CBTU, Companhia Brasileira de Trens Urbanos.
A implantação de um metrô em Curitiba levaria cerca de sete anos para ser concluído.

Fonte: Olá! O primeiro - Ano 01 nº 100 - 05 Dez 06 - Terça-feira Página 03 - www.olanoticias.com.br

Curitiba avalia dois tipos de metrô

Seminário na cidade reacende debate sobre a utilização de linhas de metrô

A discussão é antiga, mas agora parece ganhar força. Usar um transporte coletivo sobre trilhos para facilitar a movimentação de pessoas em Curitiba deve ser o novo foco dos urbanistas da cidade. Tudo para evitar que a cidade, que em 2012 deverá ter 4 milhões de habitantes, enfrente um colapso no seu sistema de transporte.
Com este objetivo na cabeça, iniciou-se ontem o seminário 'Curitiba nos trilhos' no salão de atos do parque Barigüi. Empresários, políticos e representantes de empresas de transporte irão discutir até a tarde de hoje quais as melhores soluções para Curitiba.
Estão em discussão duas possibilidades. O primeiro é para um metrô leve sobre as canaletas da linha de ônibus Expresso, que ligaria o Pinheirinho ao Cabral, em uma extensão de 14 quilômetros. O segundo é de um metrô subterrâneo de baixa profundidade (7 metros), com custos 50% menores que os do metrô tradicional.
"Antes de virar um projeto é preciso avaliar o custo. E rever também a política tributária para os transportes" afirma João Luis da Silva, da CBTU, Companhia Brasileira de Trens Urbanos.

Fonte: Olá! O primeiro - Ano 01 nº 100 - 05 Dez 06 - Terça-feira Página 04 - www.olanoticias.com.br